09/03/2012

"Sexualidade e Socialismo", por Ítalo Damasceno



Por Ítalo Damasceno*
Especial para o Homorrealidade

Essa coluna surgiu a partir de uma conversa entre mim e um dos donos do site a respeito do filme TEOREMA (1968) de Pier Paolo Pasolini. E agora, finalmente, é feito um post sobre esse controverso filme.

A história já é perturbadora: um estranho se hospeda na casa de uma rica família de Milão e seduz, um a um, todos os moradores da casa. Começando pela empregada, o filho, a mãe, depois a filha e finalmente o pai. Leva todos para a cama. Mas o real conflito acontece quando esse estranho sedutor vai embora, deixando um imenso vazio na vida de todos, o que acaba por devastar o que eles acreditavam ser os pilares de suas vidas. Cada um representando uma base da sociedade burguesa como a religião, a economia, a arte e a castidade.

Aviso logo, a quem se atrever a ver este clássico do cinema, que é um filme de arte, ou seja, é um filme difícil de ver; pois tem poucos diálogos, interpretações emblemáticas e cheio de significados expostos de forma enigmática. Nada é muito claro. Precisa atenção e senso crítico para olhar e poder ver o que esse mestre do cinema nos diz.


Acredite, esta cena faz parte desse filme

Em toda a obra de Pasolini a sexualidade é apresentada de forma transgressora e perturbadora. O sexo é, muitas vezes, o ponto de catarse dos seus personagens e quase sempre o leva à ruína. Não porque o sexo seja algo ruim, mas porque a sociedade burguesa e capitalista o trata assim. Logo, suas conseqüências são sempre devastadoras.

Mas eu tenho uma crítica a esse filme: não gosto do tom panfletário da obra. Ele não dá muita margem à reflexão dos pontos negativos da sociedade capitalista. Apenas promove a sua execração pública e propõe, como é perceptível na primeira cena, que o poder dado à classe operária é a única via de salvação. Achei triste ouvir um trabalhador dizer logo no início do filme que “mesmo quando um burguês faz a coisa certa, ele está errado”. Eu sempre primo pela reflexão, o debate e a apresentação de argumentos. Qualidades que, com pesar no coração eu digo, não se vê nessa alegoria de um diretor tão genial...

Estes olhos olham para a imagem abaixo...

... e pensam exatamente o que você está pensando!!!

Trailer

Trecho do filme

*ÍTALO DAMASCENO é advogado; descobriu que o Pará é o novo Pernambuco; e, agora que o carnaval já passou, está vendo qual modelito vai usar nas festas juninas.

Nenhum comentário:

Marcador Em Destaques