12/04/2013

Mais vômitos de Feliciano: "Jesus não é para enfeitar pescoço de homossexual e pederasta"


Publicado pelo Terra

Um novo vídeo que traz o pastor Marco Feliciano (PSC-SP) como protagonista foi publicado na internet na manhã desta sexta-feira e promete levantar mais polêmicas sobre o posicionamento do presidente da Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Câmara. Na gravação, Feliciano dispara contra o catolicismo e os homossexuais. Segundo ele, a religião mais popular no Brasil está morta.
 
"Quero dizer uma coisa, com todo o respeito: o meu Jesus não foi feito para ser enfeite de pescoço de homossexual, nem de pederasta, nem de lésbica", disse elevando o tom da voz, enquanto era ovacionado pelos fiéis. O discurso era sobre um dos principais costumes da Igreja Católica, que é o de usar crucifixos com a imagem de Jesus Cristo.
 
"Eu conheço o Deus de Paulo (apóstolo). Não é o Deus dessa religião morta e fajuta que você está. Se há um católico aqui, o que eu duvido muito, mas se tiver está em busca de (trecho incompreensível). Mas ‘deixa eu’ dizer uma coisa: você não pode sentir aquilo que nós sentimos, sem experimentar o Deus que nós sentimos", disse o pastor.
 
Após a declaração, ele continua e simula uma hipotética conversa com uma católica. "Não pastor, mas eu sou carismática. Eu até aprendi a falar em línguas: botaram uma fita no rádio e eu decorei", disse Feliciano ao simular um interlocução. "Este avivamento é o avivamento de satanás, porque no avivamento que provém de Deus você não precisa de fita", rebate Feliciano.
 
"Deus existe na santidade. Santidade física e santidade de alma. Não adianta dizer que o seu coração é de Deus, se o seu corpo está entregue à prostituição, à idolatria e a todas as misérias desta vida", falou, criticando mais uma vez o culto à imagens.
 
Vídeos polêmicos
 
Desde o último domingo, pelo menos outros três vídeos de pregações do pastor Marco Feliciano repercutiram na internet. Na última terça-feira, um vídeo publicado no Youtube revelou declarações de Feliciano sobre o sucesso do cantor Baiano Caetano Veloso. Nas imagens, o pastor desenvolve uma teoria para explicar o sucesso obtido por Caetano nas vendas do álbum Prenda Minha, de 1998. “Há alguns anos, um cidadão sentado num banquinho, fazendo um show com uma viola, cantou uma musica cujo nome é Sozinho e, em uma semana, vendeu um milhão e meio de cópias. O pessoal da mídia foi rastrear a música e descobriu que Tim Maia gravou a música e Sandra (de) Sá também, e ninguém canta melhor do que os dois (...). Só que nenhum dos dois vendeu mais do que 30 mil cópias”, disse Feliciano.


 
De acordo com o pastor, o sucesso do baiano foi conquistado com a ajuda dos Orixás, por intermédio da mãe-de-santo Maria Escolástica da Conceição Nazaré, a Mãe Menininha do Gantois, morta em 1986. “Foram entrevistar o cantor baiano, que era Caetano Veloso, e perguntaram: ‘Caetano, qual o seu segredo. Você bateu Tim, você bateu Sandra Sá, com um violão só - um milhão de cópias’ e ele disse: ‘é simples, o meu segredo é a Mãe Menininha do Patuá (Sic). Antes de mandar qualquer música para rádio, para o Brasil, eu levo pra ela. E ela, possuída pelos orixás, diz assim: pode gravar porque eu abençoo’”, falou o pastor aos fiéis que acompanhavam atentamente o discurso.
 
O vídeo foi divulgado dois dias após a repercussão de outras duas filmagens, nas quais Feliciano afirma que Deus foi responsável pelas mortes dos integrantes do grupo Mamonas Assassinas e do cantor John Lennon.
 
 
Para Feliciano, o vocalista da banda Mamonas Assassinas, Dinho, se “vendeu ao diabo pelo vil dinheiro”. “Quem era o Dinho? Era da Igreja Assembleia de Deus de Guarulhos, vendeu a comunhão dele”, diz o pastor.
 
“Um milhão e meio de cópias de discos vendidos. Alvo: crianças. Tocou na santidade de Deus, porque as crianças são a santidade de Deus. Jesus disse que pra entrar no céu, tem de ser como elas”, afirmou o pastor, que disse que o músico ensinava palavrões.
 
A declaração foi registrada em um vídeo, que fez sucesso nas redes sociais no início da semana, no qual o pastor afirma que um anjo provocou o desastre aéreo que vitimou os cinco integrantes do grupo, em 1996. “Até hoje há uma interrogação do que aconteceu ali. Para os homens. Eu sei o que aconteceu ali”, afirma o pastor. “O avião estava no céu, região do ministro do juízo de Deus. Lá na Serra da Cantareira. Ao invés de mirar para um lado, o manche tocou para o outro. Um anjo pôs o dedo no manche, e Deus fulminou aqueles que tentaram colocar palavras torpes na boca das nossas crianças”, diz Feliciano.
 
Morte de John Lennon


 
Em outro vídeo, o deputado desenvolve uma teoria sobre a morte do ex-Beatle John Lennon. Segundo a versão de Feliciano, Lennon teria sido morto a tiros após ter afrontado Deus em algumas de suas declarações. “John Lennon um dia chegou diante das câmeras, bateu no peito e disse: ‘Os Beatles são mais populares do que Jesus Cristo’ - Jesus não pop star como ele, mas sim o mestre de uma grande religião”, disse Feliciano. Em seguida, ele citou outra declaração que o músico teria dado, que teria sido o estopim para a “vingança divina” sobre Lennon. “John Lennon estava olhando para as câmeras e disse: 'Nós Beatles somos uma nova religião’. A minha bíblia diz que Deus não recebe esse tipo de afronta e fica impune”, completou.
 
Seguindo a sua linha de raciocínio, Feliciano relacionou o atentado cometido por um fã do ex-Beatle a uma providência divina, que culminou na morte de John Lennon. “Passou algum tempo depois desta declaração, está ele (Lennon) entrando em seu apartamento, quando ele abre a porta e escuta alguém chama-lo pelo nome, ele vira e é alvejado com três tiros no peito. Eu queria estar lá no dia em que descobriram o corpo dele. Ia tirar o pano de cima e dizer: ‘me perdoe John, mas esse primeiro tiro é em nome do Pai, esse é em nome do Filho e esse é em nome do Espírito Santo", falou o pastor, enquanto os fiéis ovacionavam a pregação de Feliciano.
 
As imagens geraram mais uma discussão nas redes sociais entre simpatizantes e opositores ao pastor Marco Feliciano. Desde que foi eleito para a Comissão de Direitos Humanos da Câmara, o parlamentar tem sido alvo de diversos protestos que o acusam de racista e homofóbico. Apesar da pressão popular e política, Feliciano garante que não vai deixar o cargo.
 
 

Um comentário:

AugustoCrowley disse...

Realmente se falta motivos ainda pra que este homem não nos represente, não sei o que é realmente algo plausível. Temos que manter os protestos.

Marcador Em Destaques