Presidente da câmara francesa é ameaçado sobre casamento gay

 
Publicado pelo G1
 
O presidente da Assembleia Nacional Francesa, Claude Bartolone, recebeu nesta segunda-feira (22) uma carta de ameaça que continha pólvora e advertia sobre as "consequências" de submeter a votação a legalização do casamento homoafetivo, que está previsto para amanhã.
 
A carta, digitada em computador, foi analisada pelos serviços de segurança da Assembleia antes de chegar a Bartolone, informou a emissora France Info, que detalhou que foi entregue aos artífices para seu estudo.
 
O presidente da câmara dos deputados é tratado na carta como "presidente da República Socialista Soviética".
 
Assinada pelo grupo Interação de Forças Armadas (Ifo), a carta, de uma página, continha em seu envelope pólvora de munição e advertia sobre o perigo que correm os socialistas caso seja votada a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo. "Caso o ultimato do grupo não seja cumprido, a carta prometia que a família política de Bartolone vai sofrer fisicamente", assinalou a emissora.
 
A carta termina com outra ameaça: "Nossos métodos são mais radicais e rápidos que as manifestações. Vocês queriam guerra e a terão". A Promotoria de Paris abriu uma investigação sobre o fato.
 
A ameaça acontece às vésperas do voto definitivo da lei que autoriza o casamento homoafetivo e um dia depois da terceira grande manifestação contra o projeto que é uma das promessas eleitorais do presidente, François Hollande.
 
A ameaça se soma a um aumento das agressões e dos ataques homofóbicos registrados pelas associações de homossexuais.
 
O ministro do Interior, Manuel Valls, denunciou que as manifestações contra o casamento homossexual estão 'libertando o discurso homófobo'.
 
"Quando se ataca os gays e as lésbicas, quando se bate neles, é porque se libertou esse discurso", declarou Valls na emissora 'Europe 1. E acusou o deputado conservador Henri Guaino de "parcial" por não respeitar "a democracia".
 
Valls reconheceu que as manifestações contra o casamento homossexual reúnem muita gente, mas afirmou que "são uma minoria, comparada aos milhões de franceses que votaram em François Hollande", que prometeu legalizar o casamento homossexual.
 
Segundo a polícia, 45 mil pessoas participaram da manifestação de ontem, domingo, em Paris, para pedir a retirada da lei do casamento homossexual.
 
Guaino, muito próximo ao ex-presidente Nicolas Sarkozy, denunciou a manipulação dos números por parte das autoridades, enquanto os organizadores da manifestação disseram que a participação foi de 270 mil pessoas.
 
Os deputados votarão amanhã o texto que legaliza o casamento entre pessoas do mesmo sexo, lei que será adotada graças à maioria parlamentar de esquerda.
 
 

Comentários