Dupla lésbica sertaneja As Bofinhas faz sucesso com meninas

 
Por Luciana Tecidio para o Ego 

O que era uma brincadeira despretensiosa se transformou na primeira dupla assumidamente lésbica de sertanejo universitário. As Bofinhas vem fazendo sucesso com o público gay desde que uma das líderes do grupo, Eduarda Maria, a Duda, se uniu a Aline Criscolim e lançou uma página com o nome no Facebook, em novembro de 2012. Foi o suficiente para receberem "curtidas" de todo o Brasil e pedidos para verem publicadas também vídeos de suas canções. “Não tínhamos nenhuma música gravada! Foi só uma brincadeira. A gente queria algo para  bombar e causar. Daí, o jeito foi corrermos para o estúdio e gravar nosso primeiro sucesso, ‘A onda agora é só ficar’”, conta Duda.
 
Duda e a parceira, Aline, se conheceram na rede social através de amigos comuns. Carioca, 41 anos, Eduarda Maria é produtora de shows e animava festas infantis como cantora incorporando a personagem Gata Marrentinha. Aline, de 24, é paulista de Araraquara e cantava em uma igreja evangélica de sua cidade. “Fomos para o estúdio de um amigo, em São Paulo, e gravamos nosso primeiro sucesso. Foi incrível! Fomos convidadas para fazer um show em Brasília”. 

Durante a apresentação na periferia de Brasília, no espaço gay Recanto das Emas, Duda e Aline sentiram pela primeira vez a repercussão da fama. Meninas na faixa de 14 a 24 anos gritavam por elas da plateia e passaram a segui-las no Facebook. “Aline é muito mais bonita do que eu e por isso faz mais sucesso no palco. Eu namoro uma garota de 19 anos que mora em Goiânia. Quando as fãs descobriram, ficaram mortas de ciúme. Na verdade, minha namorada, Bia, também tem muito ciúme delas e até deixa de falar comigo por causa das garotas. Mas já falei: entre a carreira e você, fico com a carreira. Se quiser, me acompanha”. Como são 'bofinhas', Duda avisa que não gosta de lésbicas como elas, que se vestem com roupas masculinas. O foco são as meninas bem femininas. “Minha namorada é uma gata. Ninguém acredita que peguei aquela mulher”.
 
A dupla As Bofinhas tem, no total, três músicas gravadas além de “A onda agora é só ficar”. Dentre as canções da dupla destacam-se “Mexe gostoso”, “Quero ter você comigo” e uma especificamente em homenagem ao público gay, “Miss gay Brasil”. “’Quero ter você comigo’ é a mais romântica, bem sertaneja mesmo”, conta Duda. 

Apesar de Duda morar no Méier, Zona Norte do Rio, e Aline em São Paulo, a distância não atrapalha. Quando deixa Araraquara, Aline se hospeda na casa da parceira, no Rio, e Duda vai para hotéis na capital paulista. 

Fã de música eletrônica e sertaneja, Duda também tem admiração pelas artistas que deixaram o armário e se assumiram lésbicas. "Mart’nália, Thammy Miranda, Maria Gadú e agora Daniela Mercury, todas são incríveis em se posicionarem. Mas também admiramos aquelas que ainda não saíram do armário”. 

Veja a letra do sucesso da dupla, "A onda agora é só ficar": 

Legal, eu não preciso namorar
Legal, eu não preciso mais casar
Legal, eu não preciso me amarrar
Porque a onda agora é só ficar 

Quando me falam de namoro eu pulo fora
Hoje em dia ninguém quer se amarrar
Esse negócio de namoro e casamento
Já era a onda agora é só ficar (2x) 

É uma aqui, é outra ali
É outra aqui, outra acolá
E assim eu vou ficando com todas
E todas ficam comigo que é pra ninguém se apaixonar
 
 
 

Comentários