Gays como Félix são amargos e invejosos, diz especialista

 
Publicado pela Caras
 
O vilão Félix (Mateus Solano) tem roubado a cena em apenas uma semana de exibição da novela Amor à Vida. Logo nos primeiros capítulos, foi revelado ao público que o personagem tem uma vida dupla. O "homem de família", como ele se auto intitula, escondia até pouco tempo atrás da mulher que é gay (Relembre os homossexuais das novelas).
 
Na vida real, são muitos os casos de homossexuais que escondem sua verdadeira atração sob um casamento de fachada. Em entrevista à CARAS Online, a psicóloga Vera Vasallo avaliou as razões para a geralmente tão complicada decisão de sair do armário.
 
"Os motivos são vários e vão desde o medo de serem descriminados pela sociedade, família e colegas, até o medo de sofrerem agressões (de origem física ou moral) nesses mesmos núcleos. Muitos homossexuais estabelecidos financeira e profissionalmente sentem medo de se assumirem e por conta disso perderem essas conquistas", considerou a especialista.
 
A exemplo do administrador do hospital San Magno, ser bem sucedido pode dificultar ainda mais o desejo de se assumir publicamente. "Na grande maioria das vezes, o que leva um homossexual a resistir em sair do armário, tendo ele uma posição social de destaque, é o fato de sentir, por conta do preconceito forte imposto pela sociedade, que tanto seu sucesso quanto posição social correm sérios riscos de serem desconsiderados", explicou Oliveira.
 
Após ser descoberto com outro homem, Félix confessou para a mulher Edith (Bárbara Paz) que sente atração por homens desde a juventude, mas que estava disposto a se reprimir em favor da família. "Assim como na trama da novela, o que pode acontecer na vida real é a pessoa dizer para a esposa que foi um deslize, que isso não vai perdurar, que não é uma decisão e sim um descuido ou ainda o homem assumir para a esposa que só tem essa atitude heterossexual para ser aceito como um homem normal, e a partir da descoberta, se propor a enfrentar a realidade sexual", observou a psicóloga.
 
Os danos ocasionados pela manutenção da uma vida de aparência podem ser graves e refletir numa própria personalidade deficiente. "Pode-se perceber no personagem, o que também percebo na minha experiência profissional, que homossexuais que insistem em ficar no armário, fingindo uma condição social, sexual e afetiva de mentira, tendem a ser pessoas amargas, frustradas e na maioria das vezes invejosas e agressivas. Brigam internamente com uma figura que não é real, sentem-se infelizes", afirmou a profissional.
 
A mais recente declaração homoafetiva que chocou a opinião pública foi da cantora Daniela Mercury, que revelou seu amor por Malu Verçosa em uma rede social. Ricky Martin, Elton John, Anderson Cooper também decidiram se assumir mesmo com uma carreira já consolidada.
 
 

Comentários