07/05/2013

O Partido Queer do Brasil (PQB)

 
Publicado pelo MixBrasil
Por Roberto Muniz Dias
 
Eu apoio a ideia de um partido para a comunidade LGBTTT, por mais absurdo que possa parecer, partidos políticos estão privilegiando seus pleitos de forma corporativista – convenhamos, não é por uma nobre causa.
 
Talvez a nossa, de criar um partido que nos represente, seja a forma de lutar de forma equiparada e representativa de nossas demandas. A tal propalada eficácia das políticas públicas LGBTTT poderia ser finalmente levada a cabo.
 
Por que não um partido voltado a uma minoria que com o passar do tempo tem se mostrado uma legião de pessoas constantemente ameaçada pela bancada fundamentalista; e pelos crimes não categorizados na lei de homofobia? Por que não nos sentirmos tranquilizados com um partido que represente uma parte da totalidade deste imenso Brasil de diferenças?
 
Eu faria propaganda, redigiria panfletos, levantaria bandeiras...por que não? É chegado um momento em que não podemos apenas apelar pela indulgência de nosso parlamento e do ameaçado STF. A Constituição é clara: é livre a criação de partidos – apesar de existir uma ameaça rondando as casas legislativas para que se impeça de criar novos partidos. Então antes que mais um direito nos seja tirado, criemos o PQB o quanto antes. Antes que – é praticamente plausível com o andar da nossa carroça Brasil – que todos os artigos da Constituição Federal, especialmente o art. 5º, sejam covardemente revogados.
 
Nós somos o PQB! Nº 24!
 
Roberto Muniz Dias é Mestrando em Literatura pela UnB (Universidade de Brasília); formado em Letras Português-Inglês; bacharel em Direito e escritor. Assina o blog http://noposthumousparty.wordpress.com Escreveu ADEUS A ALETO em 2009 e foi premiado pela Fundação Cultural Monsenhor Chaves com menção honrosa e lançado pela Editora Escândalo em 2011. Em 2012 lançou: UM BUQUÊ IMPROVISADO. Agora corre o Brasil com seu último lançamento: O PRÍNCIPE, O MOCINHO OU O HERÓI PODEM SER GAYS.É também editor da Editora Escândalo.

2 comentários:

Anônimo disse...

Concordo com a ideia, mas o partido poderia ser chamado de PGB.
PARTIDO DOS GAYS DO BRASIL

André Kummer disse...

Interesante a idéia, mas além de Jean Wyllys quem teria culhões para isso?

Realmente parece que a maioria ainda se importa mais com as baladas...

Marcador Em Destaques