12/07/2013

Cinco lições que os casais héteros podem aprender com os casais gays

 
Publicado pelo iGual
 
Muito antes da revolução sexual, da emancipação feminina, da participação das mulheres no mercado de trabalho, muito antes, enfim, que os casais heterossexuais estivessem discutindo igualdade de direitos, divisão de papeis no casamento, quais responsabilidades cabiam a cada um na administração da vida, da casa, das contas, dos filhos, os casais homossexuais já viviam na prática o modelo de relacionamento igualitário. Lendo um artigo da terapeuta americana Pat Love, do site yourtango.com, vi que os casais homossexuais têm muito que ensinar aos heteros.
 
Lição número 1: flexibilidade.
Os casais homossexuais são por definição igualitários, e portanto não há divisão pré-estabelecida de funções definidas pelo sexo. Nesse caso, pode acabar virando responsabilidade de cada um o que for mais prático, mais simpático, mais razoável, mais prazeroso. Se um dos dois, ou das duas, tiver mais talento na cozinha, ficam a seu cargo os jantares mais caprichados. Quem tiver mais vocação para a decoração cuida de ambientar a casa. Quem estiver mais próximo da lavanderia busca a roupa lavada. E por aí vai.
 
Lição número 2: diálogo.
Por um milhão de motivos, é mais fácil para um homem conversar com outro, e para uma mulher conversar com outra. Então os casais gays têm mais hábito de discutir as coisas (às vezes infinitamente, no caso das mulheres) do que os casais hétero. A falta de comunicação leva a mal entendidos, a conclusões erradas, a desconfiança, e isso não é bom para casal nenhum. Alô, ladies and gentlemen: conversem mais e se entendam melhor.
 
Lição número 3: entendendo as diferenças.
Segundo a dra. Pat Love, os homens costumam se comunicar pelos atos, as mulheres se comunicam pela reclamação. Assim, segundo ela, dois homens e duas mulheres, com seus traços comuns, conseguem discutir assuntos difíceis ou delicados de uma maneira mais saudável. Se um sexo conseguir entender melhor o estilo do outro, é mais fácil levar adiante as discussões onde o silêncio de um conflita com o grito do outro. As mulheres precisam entender o silêncio dos homens como uma tomada de posição, enquanto os homens não precisam imaginar que a reclamação da companheira é demonstração de chatice. É só uma questão de gênero.
 
Lição número 4: aceitando quem não é igual.
Um casal gay une duas histórias de dificuldades, questionamentos, decepções. Em um nível ou outro, todo gay teve um caminho complexo no desenvolvimento da sexualidade. Enquanto 80% (90%?) de seus amigos estavam indo em uma direção, eles estavam indo em outra. Numa em que a família não entende, a igreja não aceita, a escola não apoia. Mesmo que no fim tudo acabe bem, é um caminho mais tortuoso. Então os casais gays tendem a ter mais facilidade para não julgar as escolhas dos outros, não procurar só quem é igual, fazer um grupo de amigos mais heterogêneo. Isso certamente é mais rico como experiência do que aqueles casais que só convivem com o espelho, só têm amigos da mesma classe social, que dirigem o mesmo carro, moram no mesmo bairro, matriculam as crianças na mesma escola e viajam para os mesmos lugares.
 
Lição número 5: tomando posição.
Essa é uma lição em que os dois lados aprendem. Enquanto as semelhanças aproximam as pessoas, algumas diferenças são imprescindíveis para manter a dinâmica do casal. Quantos casais de lésbicas você já conheceu em que as duas viraram irmãs e a chama da paixão está extinta há tempos? É que, mesmo inconscientemente, temos na cabeça aquele modelo de que a iniciativa sexual é uma premissa masculina. Então é preciso que a mulher, lésbica ou não, aprenda a ser proativa sexualmente, ou vai ficar eternamente esperando sentada fazendo a sedutora, e ninguém vai a lugar nenhum. Seduzir e ser seduzido tem de ser um jogo em que os papéis se invertem o tempo todo.
 
No caso dos gays é mais comum ter casamentos abertos. Mas aqui vale para todos, gays ou héteros: é importante na intimidade exercitar algumas atitudes consideradas femininas: delicadeza, preocupação, cuidado. Por mais que seja consenso que o homem tenha uma vida ativa fora de casa, é muito sexy tratar bem quem está com você dentro dela.
 
 

Nenhum comentário:

Marcador Em Destaques