Estudo americano entre casais gays e héteros aponta que as uniões homossexuais têm muito a ensinar

 
Publicado pelo O Tempo
Por Tara Parker Pope/The New York Times
 
Nova York, EUA. Certa vez, durante um monólogo realizado tarde da noite, o apresentador de talk show David Letterman fez uma série de questionamentos sobre o casamento gay. “Quem desce as escadas no meio da noite para ver o que é aquele barulho? Quem se esquece do aniversário de casamento? Quem se nega a parar e perguntar o caminho?”, indagou o comediante.
 
A piada gerou as risadas esperadas da plateia, mas também era um exemplo claro da tentativa de definir o casamento gay a partir da união heterossexual. Embora haja muitas similaridades entre casamentos gays e heterossexuais, uma década de pesquisas em ciências sociais mostra que casais formados por pessoas do mesmo sexo adaptaram muitos aspectos dessa instituição.
 
Relacionamentos gays costumam ser mais igualitários, em parte por que casais formados por pessoas do mesmo sexo não dividem os papéis com base nas diferenças de gênero tradicionais. Casais gays também relatam menos conflitos e um relacionamento mais feliz. Já que frequentemente não contam com o apoio dos familiares, casais gays costumam receber muito apoio social de sua rede de amigos.
 
Agora que duas decisões da Suprema Corte abriram caminho para que mais casais formados por pessoas do mesmo sexo se casem nos Estados Unidos, pesquisadores em relacionamento afirmam que há lições importantes a serem aprendidas pelo estudo contínuo de casais gays bem e malsucedidos.
 
Recentemente, os Institutos Nacionais de Saúde aprovaram um estudo de US$ 1 milhão envolvendo casais gays e heterossexuais que foram acompanhados por um período de dez anos por pesquisadores da Universidade do Estado de San Diego.
 
Um dos maiores estudos desse tipo, a pesquisa foi iniciada logo depois que o estado de Vermont legalizou as uniões civis entre pessoas do mesmo sexo em 2000. O estudo original se concentrou em quase 1.000 casais, incluindo os de pessoas do mesmo sexo e seus irmãos heterossexuais. A inclusão dos irmãos permitiu que os pesquisadores comparassem as similaridades e as diferenças entre casais gays e heterossexuais formados com pessoas de idades próximas e os mesmos contextos religiosos e familiares.
 
Atualmente, cerca de 750 casais continuam nesse estudo, e a nova pesquisa patrocinada pelos Institutos Nacionais de Saúde consistirá em um acompanhamento de dez anos para determinar como os casais se saíram.
 
Até então, uma das descobertas mais notáveis foi a de que em quase todas as medidas os casais formados por pessoas do mesmo sexo relatavam níveis mais altos de felicidade conjugal, se comparados a casais heterossexuais. Casais gays também relataram menos conflitos que casais heterossexuais e um nível mais alto de intimidade. Casais gays também costumavam sentir que podiam confiar em seus parceiros, vivenciando níveis mais altos de afeição e vidas sexuais mais satisfatórias.
 
 

Comentários