10/07/2013

Uso de silicone industrial pode ter provocado a morte de travesti de 15 anos em Ribeirão Preto


Publicado pelo G1

Uma travesti de 15 anos morreu na noite de terça-feira (10) em Ribeirão Preto (SP) com suspeita de complicações causadas pela aplicação de silicone industrial nas nádegas. A vítima, que era de São Paulo (SP), foi socorrida por amigos e levada até a Unidade Básica Distrital de Saúde (UBDS) do bairro Quintino Facci II, mas segundo a Secretaria Municipal de Saúde, já chegou sem vida ao local.
 
Segundo os amigos que socorreram a vítima, a adolescente estava há quatro meses em Ribeirão Preto e mantinha um relacionamento amoroso com um rapaz. Familiares do namorado afirmaram que desconheciam o fato da adolescente ser travesti. A Polícia Civil informou que vai aguardar o laudo com as causas da morte para dar prosseguimento às investigações. O corpo foi levado para o Instituto Médico Legal (IML). A família da jovem não quis comentar o assunto.
 
A adolescente começou a passar mal em uma casa na Rua Rui Barbosa, no Centro de Ribeirão Preto, onde estava com amigos. Uma testemunha, amiga da vítima, informou à Polícia Militar que ela havia retornado de São Paulo há dois dias, e que tinha feito uma aplicação de silicone industrial nas nádegas.
 
Um dos amigos - que preferiu não se identificar - disse ao G1 que ajudou a socorrer a travesti, e que ela passou mal no início da noite e foi levada para a unidade de saúde. "Vi que ela estava ruim e que precisava receber alguma ajuda. Infelizmente, não conseguiu ser reanimada e veio a falecer", contou.
 
Segundo a assessoria da Secretaria Municipal da Saúde, a adolescente foi atendida por um médico plantonista que constatou que ela já havia chegado morta à unidade de saúde do bairro Quintino Facci II. O corpo foi encaminhado ao Serviço de Verificação de Óbito (SVO) para que a causa da morte seja identificada. A Polícia Militar foi chamada e registrou um boletim de ocorrência sobre o caso.
 
Namoro
 
De acordo com os amigos da vítima, a adolescente namorava há quatro meses com um rapaz de Ribeirão Preto. A assistente administrativa Taline Jesus Santos, de 20 anos, irmã do namorado, confirmou o relacionamento, mas afirmou que a família desconhecia o fato dela ser uma travesti. "Nem eu, nem a minha mãe, nem o meu pai. Ninguém sabia que ela era travesti. Acho que só o meu irmão sabia. Ela parecia muito com uma mulher. Ela sempre foi muito feminina", disse Taline.
 
Segundo a assistente, a família ficou sabendo da identidade da jovem apenas na terça-feira, quando recebeu a notícia da morte. "Eu liguei para a mãe dela, mas a mãe só respondia sobre ele. Aí eu pensei que ela poderia ser ele, ser uma travesti. Aí eu perguntei e ela falou o nome masculino. A gente nem desconfiava. Também pensava que ela tinha 17 anos, mas a mãe dela disse que ela tinha 15 anos", conclui.
 
O G1 tentou falar por telefone com a mãe da vítima, mas um homem que se identificou como padrasto da travesti disse que a mulher estava muito abalada com a morte  e que ninguém comentaria o assunto.
 
O delegado Paulo Henrique Martins de Castro, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Ribeirão Preto, informou que a polícia só dará continuidade ao caso após a entrega do laudo sobre a causa da morte. "Temos que esperar o laudo do IML para ver se o silicone, de fato, foi a causa da morte. Só após o laudo ficar pronto é que sabemos se isso será investigado em Ribeirão ou em São Paulo, onde supostamente a vítima teria injetado o produto nas nádegas", diz Castro. O laudo deve ficar pronto em 20 dias.
 
Veja reportagem em vídeo sobre o caso no G1: CLIQUE AQUI!

Um comentário:

Anônimo disse...

eu tambem sou travesti e sei tudo oque aconteceu , ela morava na casa de uma cafetina e fazia programa pra sustentar o namorado elias que dançava em uma boate gay chamada alternativa na praça sete de setembro . a aplicação é feita no mesmo endereço na rui barbosa pela travesti nubia e marcia.. ela não queria mais colocar mas a forçarão. na rua rui barbosa é uma clinica clandestina de silicone idustrial que elas incomenda de bh .. conheci a helen ela veio de tocantins e dizia que era abusada sexualmente pelo padrasto por isso fugiu a mãe dela faz programa em campinas , e outra tudo o que estou relatando é verdade quero que as autoridades corram atras de quem a matou , no ultimo momento ela não a helem não queria mais a aplicação do silicone mas foi praticamente forçada , o namorado dela esplorava ela e a traia com varias travestis , pegava o dinheiro dela pra comprar anabolizantes para se propio corpo. as propias que derão entrevista falarão coisas pra confudir as autoridades.. uma semana antes um policial militar deu uma cacitetada na bunda dela aonde ja tinha aplicação de silicone antes ela colocou mais e chegou ao obto..alguns policiasi militares de ribeirão preto sp sabem de tudo isso clinica clandestina e etc.e eles abusam da autoridade na avenida brasil pra bater ne travesti e ate fazer elas fazerem sexo horal eles.

Marcador Em Destaques