Rock: Confira o universo gay dentro do estilo


Visto em A Capa 

O Dia Mundial do Rock foi celebrado no dia 13 de julho. Portanto, nada mais natural do que A Capa se debruçar sobre o assunto, com um viés LGBT, claro. O rock sempre foi um ritmo associado com força, peso, agressividade e testosterona - e por isso, ligado diretamente ao universo masculino. O que levou à conclusão - errônea - de que os gays não teriam vez nesse estilo, já que gay e masculino seriam duas coisas incompatíveis.

Mas desde os primórdios do rock diversos artistas provaram o contrário, mostrando que não apenas o rock tinha tudo a ver com a chama gay, como podia se fortalecer através dela. Assim, em seis décadas de existência - o rock nasceu oficialmente nos anos 1950, portanto há cerca de 60 anos -, muitos foram os roqueiros que flertaram, direta ou indiretamente, em maior ou menor grau, com o mundo gay. E muitos foram além, assumindo-se como gays de fato.

Confira a seguir os diversos ângulos do universo LGBT no rock.

Os Vocalistas
Muitas bandas importantes do rock acumularam milhares de fãs e esses nem imaginavam que seus maiores ídolos, vocalistas de tais bandas, eram gays. Exemplos: Freddie Mercury no Queen, Rob Halford no Judas Priest...


Os Bissexuais
Outros vocalistas se caracterizavam como bissexuais, assumindo isso ou não. Nesse quesito, encaixam-se: Robert Plant do Led Zeppelin, David Lee Roth do Van Halen e até Mick Jagger, dos Rolling Stones. Mick teve caso, inclusive, com outro bissexual famoso do rock: David Bowie.


Os Assumidos
No terreno dos assumidos, vale destacar: Morrissey (ex-vocalista dos Smiths, depois seguiu em carreira solo), Johnny Marr (ex-guitarrista dos Smiths), Michael Stipe (vocalista do R.E.M.) e o rei de todas: Mister Elton John. Ainda: o cantor George Michael e o recém-assumido Ricky Martin - embora ele não seja propriamente um roqueiro.


Os Enrustidos
No setor dos enrustidos, surgem roqueiros mais antigos, que até se casaram e tiveram filhos, mas há quem jure que eles eram, no fundo, gays: Little Richard nos anos 50, Gary Glitter nos anos 70...


Os Doidões
Entre os malucos de plantão, sempre turbinados por aditivos químicos, surgem ícones dos anos 70, como Iggy Pop e Lou Reed. Ambos tiveram casos com David Bowie e Lou Reed chegou a viver casado, durante alguns anos, com uma travesti.


As Pintosas
Apesar dos preconceitos e machismos, o rock sempre favoreceu a bichice purpurinada. Assim, nasceu o glitter rock ou glam rock, que nos anos 70 deu origem a bandas cujos integrantes homens adoravam se maquiar, vestir brilhos e paetês e soltar a franga no palco - mesmo que não fossem gays de fato. Exemplos: T.Rex, New York Dolls, Roxy Music e, num segundo momento, mais pesado, o Kiss.

Já nos anos 80, esse filão foi parar no heavy metal, com bandas cujos integrantes viviam trajando calças justas de couro colorido, sem falar nos cabelões de Barbie. São elas: Poison, Skid Row, Aerosmith...



Os Oitentistas
Também nos anos 80, algumas bandas de rock-pop e new wave tiveram à frente vocalistas ou integrantes que eram naturalmente gays, sem muito alarde. Entre elas: Erasure e o vocalista Andy Bell, Human League e o vocalista Philip Oakey e o campeão B-52's, que teve três gays no elenco - o vocalista Fred Schneider, o guitarrista Ricky Wilson (falecido por Aids em 85) e o baterista Keith Strickland. E claro, os inesquecíveis Pet Shop Boys, Neil Tennant e Chris Lowe.


Os Brasileiros
No Brasil, sempre tão enrustido, a lembrança acaba indo para os mais óbvios: Cazuza, primeiro liderando o Barão Vermelho e depois em carreira solo; Renato Russo, o eterno líder da Legião Urbana; e Cássia Eller, artista de MPB mas com total identificação ao mundo do rock.

Ironicamente, os três morreram cedo - Cazuza e Renato, vítimas da Aids, e Cássia após uma overdose. O sobrevivente acaba sendo Ney Matogrosso - artista de MPB mas que começou a carreira na banda Secos & Molhados, de bastante ligação com o rock.


As Lésbicas
No mundo das bolachas, o terreno é fértil: as cantoras K.D. Lang e Melissa Etheridge, a roqueira Joan Jett, as meninas do L7...


Os Novos Andróginos
Nos anos 90, num resgate à androginia roqueira dos 70, surgiram bandas repletas de lamê, como o Placebo de Brian Molko e o Suede de Brett Anderson. Entre outras, claro.


O Futuro
Na safra mais atual, surgida de dez anos para cá, aparecem representantes de peso, como a banda Scissor Sisters e seu vocalista Jake Shears, o cantor Mika - que se define como bissexual -, os cantores fofos Chris Garneau e Jay Brannan, os pintosos Anthony - da Anthony and the Johnsons - e Rufus Wainwright, e por aí vai. Façam suas apostas!


Comentários

  1. Robert Plant não era bissexual não,ele só tinham um estilo mais afeminado que segundo o próprio usava para atrair as mulheres e a respeito do David Lee Roth isso sempre foi uma grande dúvida msm...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Respeitamos opiniões contrárias às postagens contidas nesse site, mas solicitamos que evitem utilizar esse espaço para fazer propagandas, incluir conteúdos que não tenham vínculo com as postagens ou que visem agredir quem quer que seja. Obrigado!