"O papa Francisco e os LGBTs", por Vitor Angelo

 
Publicado pela Folha
Por Vitor Angelo
 
A primeira mensagem do papa Francisco aos LGBTs foi dada na coletiva para jornalistas que fez no avião de volta para o Vaticano, depois de sua visita ao Brasil neste ano. E a segunda foi para o padre Antonio Spadaro, diretor da “La Civiltà Cattolica”, em um longo artigo em que ele reforça sua primeira declaração e desenvolve um pouco mais a ideia.
 
“Durante o voo em que regressava do Rio de Janeiro, disse que se uma pessoa homossexual tem boa vontade e busca a Deus, não sou eu quem vai julgá-la. Ao dizer isto, disse o que diz o catecismo. A religião tem o direito de expressar suas próprias opiniões a serviço das pessoas, mas Deus na criação nos fez livres: não é possível uma ingerência espiritual na vida pessoal. Uma vez uma pessoa, para me provocar, perguntou-me se eu aprovava a homossexualidade. Eu então lhe respondi com outra pergunta: ‘Diga-me, Deus, quando olha para uma pessoa homossexual, aprova sua existência com afeto ou a rechaça e a condena?’ É preciso sempre levar em conta a pessoa. E aqui entramos no mistério do ser humano. Nesta vida Deus acompanha as pessoas e é nosso dever acompanhá-las a partir de sua condição. É preciso acompanhar com misericórdia. Quando isso ocorre, o Espírito Santo inspira ao sacerdote a palavra oportuna”, diz o papa para a revista jesuíta.
 
Estas duas mensagens do papa aos LGBTs significam uma mudança de postura da Igreja Católica em relação aos gays? A resposta é sim e não.
 
Se pensarmos nos discursos do seu antecessor, o papa Bento 16, que dizia, por exemplo, que o casamento homossexual “ameaça o futuro da humanidade”, podemos enxergar um discurso mais generoso e mais positivo em relação aos gays.
 
Existe uma sensível mudança ideológica no novo pontífice, por um lado, já não é mais a igreja que está no comando de tudo e todos, mas a igreja que quer arrebanhar, conquistar – pois tem perdido fiéis nas últimas décadas. E, neste sentido, o discurso de autoridade que condena, exclui, não cabe nesta nova igreja que deseja ser mais inclusiva.
 
Também no sentido filosófico, existe uma retomada explícita da questão do livre arbítrio. O papa diz claramente: “Deus na criação nos fez livres”. E vai mais longe, a coloca em um terreno esquecido ultimamente pelo cristianismo mas que está no seu cerne, a individualidade. “Não é possível uma ingerência espiritual na vida pessoal”. E não podemos esquecer como a individualidade e fundamental tanto para as questões de orientação sexual e de identidade de gênero.
 
O papa retoma valores fundamentais da cristandade e as coloca em primeiro plano, como o amor ao próximo, e o “atire a primeira pedra quem estiver livre de pecado” que é o avesso do discurso condenatório feito pela Igreja Católica como também em muitas outras religiões cristãs.
 
E melhor, critica a obsessão do catolicismo – podemos entender por extensão o de outras religiões cristãs – de condenar certas posturas o tempo todo, todos ligadas à questão da individualidade. “Não podemos continuar insistindo só em questões referentes ao aborto, ao casamento homossexual ou ao uso de anticoncepcionais. É impossível”.
 
De certa forma, ele prega uma igreja mais tolerante, mas suas ideias não mudaram. Na mesma frase, ele diz: “a religião tem o direito de expressar suas próprias opiniões a serviço das pessoas”. Isto é, a igreja continua não concordando com a homossexualidade, com o aborto e os anticoncepcionais (apesar dele agora coloca-las como coisas secundárias pois existem outras questões mais importante como a pobreza, por exemplo). Quer dizer, suas opiniões continuam as mesmas.
 
De fundo, não existe mudança substancial, mas sim, se antes era a fogueira para os LGBTs, agora é possível ser um colega, um conhecido que apenas não concorda com nossas posturas, ficou mais leve.
 

Comentários

  1. A mentalidade que se formou durante 2 mil anos e tem mais alguns milhares de anos atrás, com o judaísmo, certamente não vai mudar de um dia para o outro. Eu acho que existem, sim, os sinais positivos: pelo menos já se admite a nossa existência. O próximo passo é reconhecer que a homossexualidade faz parte integral da natureza humana (portanto, não é antinatural). Tudo isso requer uma revolução na mentalidade, tanto dos dignitários da Igreja, quanto da comunidade católica. Ao meu ver, isso ainda vai demorar um pouco...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Respeitamos opiniões contrárias às postagens contidas nesse site, mas solicitamos que evitem utilizar esse espaço para fazer propagandas, incluir conteúdos que não tenham vínculo com as postagens ou que visem agredir quem quer que seja. Obrigado!