09/10/2013

Ministério Público do MS denuncia pecuarista que torturou filho de 16 anos por ser gay

 
Publicado pelo Tribuna MS
 
O MPE (Ministério Público Estadual) de Três Lagoas denunciou o pecuarista que espancou e torturou o filho de 16 anos no dia 29 de julho deste ano, em Três Lagoas, cidade distante 338 quilômetros de Campo Grande. As agressões aconteceram depois que o pai descobriu que o filho é homossexual.
 
A denúncia foi oferecida pela promotora da 5ª vara, Daniela Araújo Lima da Silva, de Três Lagoas. O processo tramita em segredo de justiça.
 
O caso, que foi denunciado pela mãe do adolescente, ganhou repercussão nacional pela crueldade. Conforme a Polícia Civil, ao descobrir que o filho é homossexual, o pai o agrediu e tentou trancar o adolescente em um quarto sem energia elétrica. Logo depois, os irmãos e a mãe do adolescente o levaram para a casa da avó.
 
Durante as agressões, o pai dizia que o filho “estava com o demônio no corpo”. Após torturar o rapaz, o próprio pecuarista levou o filho até o hospital da cidade e no caminho ameaçava jogar o garoto do veículo se ele não voltasse a “ser homem”.
 
À Polícia, testemunhas relataram que o pecuarista amarrou uma corda na perna do garoto e dizia que iria jogá-lo para fora do carro e arrastá-lo na rua, caso não mudasse a orientação sexual.
 
O pai foi indiciado pelo delegado responsável pelas investigações, Paulo Henrique Rosseto de Souza, pelos crimes de tortura e injúria.
 
 

Um comentário:

AugustoCrowley disse...

É contra esse tipo de coisas, que lutamos por uma lei mais rigorosa, que realmente torne a homofobia criem. Não queremos mais privilégios, mas sim que os crimes desta natureza não fiquem mascarados como uma violência comum, pois não são. Ninguém apanha por ser homem ou mulher.Basta de hipocrisia.

Marcador Em Destaques