Marco Feliciano deixa a presidência da Comissão de Direitos Humanos


Publicado pelo ParouTudo
 
O deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) deixou finalmente a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM). Seu mandato como presidente se encerrou e ele presidiu na quarta-feira, 18, sua última sessão.
 
O homofóbico sobre o qual pouca gente já havia falado até o início de 2013 parece ter saído fortalecido. O pastor se tornou um porta-voz dos intolerantes e preconceituosos que se preocupam mais com a vida dos outros do que a com própria. Vamos vez se isso se traduzirá em votos para ele nas próximas eleições.
 
Feliciano está em dúvida se tenta uma reeleição como deputado ou se disputa o Senado. A última opção não é nada fácil já que o Estado pelo qual concorre, São Paulo, costuma ter candidatos fortes e conhecidos. Feliciano afirmou ao “O Globo” que pode tentar se seus adversários forem Eduardo Suplicy ou Marta Suplicy, que tem forte rejeição dos evangélicos, segundo ele. Se o pleito incluir José Serra ou Gilberto Kassab, o pastor já não tem tanta certeza de sua candidatura.
 
O deputado também afirmou à publicação que deixou a comissão famosa e que espera que o PT, que ele acredita que assumirá a presidência, “dê mais valor à comissão que eles abandonaram”. NIsso, Feliciano tem toda razão. No jogo político do toma-lá-dá-cá do início do ano, o PT dispensou a CDHM e se arrependeu muito depois que ela foi tomada por evangélicos, O PSDB, que cedeu algumas cadeiras, também tem sua parcela de culpa.
 
Durante o ano, com maioria de conservadores, a comissão serviu para aprovar projetos homofóbicos como a “cura gay”, Esperamos quem em 2014, a CDHM sirva para o que ela foi criada: debater e defender os direitos humanos e segmentos discriminados.
 
 

Comentários