Cenas de sexo gay e nu de Wagner Moura chamam atenção no Festival de Berlim

 
Publicado pelo Uol
 
Na contramão de "Hoje eu Quero Voltar Sozinho", que usa da delicadeza e da percepção para narrar a história de um adolescente que se descobre gay, "Praia do Futuro", outro drama brasileiro que foi exibido nesta terça-feira (11) na mostra competitiva do Festival de Berlim, apresenta a história de um casal gay adulto que busca se aventurar e encontrar coragem para viver. O longa chamou a atenção por conta das diversas cenas de sexo e nu frontal de Wagner Moura.
 
O novo longa do diretor Karim Aïnouz (de "O Abismo Prateado", 2011, e "O Céu de Suely", 2006) foi apresentado para uma sala cheia, mas não arrancou palmas da plateia. Um dos integrantes do júri, o ator Christoph Waltz, bocejou algumas vezes durante a exibição. Cerca de 15 espectadores deixaram a sala nas cenas que envolviam carícias do casal.
 
 
Na conversa com os atores após a exibição, Wagner Moura, Jesuíta Barbosa e o alemão Clemens Schick comentaram sobre o trabalho, filmado em Berlim e em Fortaleza (CE) em 2012. "Uma das coisas importantes é que [os atores] falassem, se aventurassem, se arriscassem e fossem a lugares desconhecidos. Queríamos falar sobre o contratempo entre medo e coragem", disse o diretor.
 
Moura chegou a morar na capital alemã durante as filmagens e disse que se identifica com a cidade. "Berlim é uma das minhas cidades favoritas, mas viver aqui e estar na cidade fez uma grande diferença. O filme é sobre alguém que chega em um lugar e se reconstrói. A gente é o que as pessoas projetam na gente. Vir para um lugar e começar do zero foi fascinante. Viver a cidade foi fascinante".
 
Aïnouz reside em Berlim e Moura é um velho conhecido da casa -- após seu papel em "Tropa de Elite", Urso de Ouro em 2008. Se agradar ao júri, "Praia do Futuro", pode assegurar o terceiro Urso de Ouro ao Brasil -- o primeiro foi com "Central do Brasil".
 
Sobre a polêmica que o filme pode gerar no Brasil, Moura disse que essa não é uma preocupação. "Não me preocupo com a recepção no Brasil. A relação que existe entre os caras é importante, mas não o mais importante no filme. Quanto mais a gente não fizer disso uma questão ou um problema, mais ajudamos politicamente contra o preconceito a homossexuais. Tem duas dimensões, uma dramática e outra política. Temos que parar de ver isso como um assunto."
 
 
Personagens heroicos e vulneráveis
 
Após seis anos sem um filme na disputa pelo Urso de Ouro, o Brasil voltou à competição oficial do Festival de Berlim com o novo longa de Karim Aïnouz, "Praia do Futuro". Com "O Céu de Suely" e "O Abismo Prateado", ele tratou do abandono sob a perspectiva de mulheres, e agora voltou ao tema com personagens masculinos e com ares de super-heróis, ainda que vulneráveis.
 
Em "Praia do Futuro", Wagner Moura interpreta Donato, um heroico salva-vidas que trabalha na praia de mesmo nome, em Fortaleza (CE). Depois de não conseguir salvar uma vítima pela primeira vez na carreira, Donato conhece um amigo do afogado, o motoqueiro alemão Konrad (Clemens Schick), e parte em busca de uma nova vida no país europeu. Para trás, deixa o irmão, Ayrton (Jesuíta Barbosa), que o tinha como ícone. Oito anos depois, Ayrton parte para Alemanha em busca do irmão mais velho.
 
O diretor, que vive atualmente em Berlim, disse ao UOL que o filme foi "gestado" enquanto viveu pela primeira vez na cidade, em 2004, após dirigir "Madame Satã", seu primeiro filme, e enquanto escrevia o roteiro de "Céu de Suely". "É um lugar que está tentando se entender, tentando entender qual seu futuro. Berlim tem um ambiente criativo muito bonito".
 

Comentários