13/09/2014

Após incêndio em CTG, casamento gay é transferido para Fórum no RS


Publicado pelo G1

Casamento coletivo seria realizado em CTG incendiado após ameaças. Segundo juíza, o CTG vai funcionar no Fórum até a reforma ser concluída.

O casamento coletivo com 28 casais heterossexuais e um casal homossexual marcado para este sábado (13), que vem causando polêmica em Santana do Livramento, na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul, será realizado no Fórum de Justiça da cidade às 16h. A decisão foi informada pela juíza Carine Labres em entrevista coletiva na noite desta sexta-feira (12). O evento ocorreria no Centro de Tradições Gaúchas (CTG) Sentinelas do Planalto, alvo de um incêndio criminoso na madrugada de quinta (11).

O galpão foi incendiado após o patrão ter recebido ameaças de pessoas contrárias à solenidade devido à presença do casal homoafetivo. Desde o incidente, moradores da cidade faziam um mutirão para recuperar o local a tempo do casamento.

Inicialmente, a juíza havia dito que a cerimônia poderia ser realizada em uma quadra esportiva. Segundo ela, a mudança de planos se deve à segurança dos familiares.

"Seria uma grande vitória", lamenta a juíza ao vislumbrar a realização da cerimônia no CTG. "O único motivo que provoca a transferência é a questão da segurança, que estaria comprometida na atual condição física da sede, e também pelos aspectos climáticos", afirmou Carine na noite desta sexta.

O temente José Carlos Martins, comandante da Brigada Militar local, disse ter ficado "preocupado" com a possível realização do casamento devido às condições do local. "Seria difícil a obtenção de um PPCI (Plano de Proteção Contra Incêndios)", afirmou.

A juíza afirma que o CTG vai funcionar no Fórum até a reforma ser concluída. "Será a casa deles até a reconstrução", afirmou.

Em entrevista coletiva, juíza anunciou mudança de local de casamento (Foto: Estêvão Pires/G1)

Carine evitou se manifestar sobre a possibilidade de o incêndio ter sido motivado por homofobia. Porém, confirma que chegaram ameaças a seu gabinete, e considera positiva a discussão sobre discriminação sexual que o evento levou à tona. "Transferir não passa a mensagem de que o outro ganhou. Só o debate já é muito positivo", afirmou.

Durante a coletiva, Carine se mostrou incomodada com uma pergunta sobre a sexualidade dos funcionários de seu gabinete. "Não sou homossexual, mas não teria problema se eu fosse. Tomar uma posição frente a esse problema não depende da opção sexual", afirmou, antes de criticar o jornalista por ter feito um questionamento "carregado de preconceito".

O incêndio ocorreu na madrugada de quinta-feira (11). De acordo com o Corpo de Bombeiros, o fogo começou por volta de 0h30, e as chamas foram controladas cerca de três horas depois. Ninguém ficou ferido, mas o fogo atingiu a parte interna da estrutura, justamente o palco, onde acontecerá o evento.

A Polícia Civil diz que o incêndio foi criminoso. Um garrafa com resquícios de gasolina foi encontrada no galpão do CTG, que, segundo a polícia, pode ser um coquetel molotov, artefato incendiário de fabricação caseira. Testemunhas relataram que viram quatro pessoas próximas ao CTG antes do início das chamas, mas a polícia diz que, por enquanto, não há suspeitos de autoria do incêndio.

Logo após o incêndio, um mutirão se formou para reconstruir a estrutura danificada do galpão a tempo do casamento coletivo. Segundo o patrão do CTG, Gilbert Gisler, o Xepa, a instituição recebeu mais de 40 doações de material de construção, de pessoas físicas e jurídicas. A comunidade de Santana do Livramento também doou a mão de obra para a reconstrução do local.

Entidades manifestam repúdio

O presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG), Manoelito Savaris, diz que o local não é filiado ao MTG desde 2005. Ele foi desligado porque os integrantes da comunidade não seguiriam mais as regras do movimento. “Caso isso acontecesse dentro de um CTG filiado, o Conselho do MTG, composto por 49 pessoas, iria se reunir para avaliar o assunto”, declarou.

Por meio de nota, o MTG disse que os atos de vandalismo praticados contra o CTG “merecem nosso repúdio” e que o movimento “é respeitador das leis e não tem nenhuma restrição a preferências religiosas, ideológicas ou sexuais das pessoas”. Ainda conforme o texto divulgado pela entidade, “qualquer tentativa de vincular o episódio envolvendo aquela associação com o MTG também é repudiada”.

Também por meio de nota, a Secretaria da Justiça e dos Direitos Humanos do Rio Grande do Sul repudiou o que classificou como “atitude homofóbica de um pequeno grupo de pessoas”. "Fica claro que a atitude configura-se em um crime de homofobia, pois havia um casal homossexual que participaria da cerimônia”, diz o texto assinado pela a secretária da pasta, Juçara Dutra Vieira, e a coordenadora da Diversidade Sexual, Marina Reidel.

Veja direto no G1

Um comentário:

O tempo será a melhor resposta disse...

Creio que a aceitação da união de pessoas do mesmo sexo deve ocorrer naturalmente. Os filhos dos membros do CTG (que pegou fogo), poderão ser homossexuais, e só resta a mudança de atitude por parte dos membros, mas leva um pouco mais de tempo. A decisão da juíza está sendo precoce. Creio que a juíza necessita de fama e mídia, pois obrigar um casamento gay dentro de um local onde todos se intitulam "machos", lógico que iria dar problema. Pergunto: Por que a juíza não determinou esse casamento dentro de uma igreja católica ? Será porque a Igreja é muito rica, poderosa e influente perante a sociedade e órgãos públicos ? Sendo a casa de Deus, os casamentos gays deveriam ser iniciados nas Igrejas (já que temos em mente que um casamento é realizado na igreja), para que outras instituições e a sociedade possam aceitas com mais facilidade e deixar de lado o preconceito. Tenho amigos gays e convivo bem com a situação, mas vamos ser sinceros, a juíza está jogando uma torcida de futebol em cima de outra, e essa imposição radical não será bom para ambas as partes. Só o tempo e o diálogo muda a cultura de um povo, e isso leva tempo, afinal, quem de nós já não relutou contra uma situação e posteriormente se convenceu que estava errado. Amai-vos uns aos outros. Paz e felicidade a todos.

Marcador Em Destaques