"A marcha do fundamentalismo brasileiro" Por Jean Wyllys

 
Por Jean Wyllys via Instagram
 
A foto é chocante (ao menos para mim). O fundamentalismo religioso no Brasil - articulado profundamente à lógica de mercado e promovido por estratégias publicitárias que interpelam as pessoas a partir de preconceitos históricos e do senso comum que o sistema de educação formal de má qualidade não tem conseguido desconstruir - esse fundamentalismo religioso tem sido negligenciado pela intelectualidade brasileira de prestígio e por políticos democratas e republicanos ao mesmo tempo em que é incorporado, de maneira irrefletida, por quase todos os partidos e diferentes governos. O fundamentalismo cristão no Brasil tem ameaçado as liberdades individuais, a diversidade sexual e as manifestações culturais laicas. Agora ele está formando uma milícia que, por enquanto, atende pelo nome de "gladiadores do altar" (assistam ao vídeo inteiro disponível no link abaixo!). Quando atentaremos de verdade para o monstro que emerge da lagoa? Quando começarem a executar os "infiéis" e ateus e empurrar os homossexuais de torres altas como vem fazendo o fundamentalismo islâmico no Oriente Médio? Não é porque tem a palavra "cristão" na expressão que o fundamentalismo cristão deixa de ser perigoso e não fará o que já faz o fundamentalismo islâmico.

Comentários

  1. É assustador a difusão e o impacto do fundamentalismo religioso no Brasil (é tão difícil de entender que para essas pessoas a violência e a intolerância seja a forma de responder ao amor, qualquer tipo de amor).
    No sentido oposto, o artigo e vídeo que incluo discute se é uma questão de tolerância ou aceitação. Excelente discurso:
    http://expresso.sapo.pt/homossexuais-uma-questao-de-tolerancia-ou-de-aceitacao=f912729

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Respeitamos opiniões contrárias às postagens contidas nesse site, mas solicitamos que evitem utilizar esse espaço para fazer propagandas, incluir conteúdos que não tenham vínculo com as postagens ou que visem agredir quem quer que seja. Obrigado!