20/03/2015

Policiais da Venezuela podem ser gays se esconderem orientação

 
Visto no G1
 
Declaração foi feita pelo comissário para Reforma policial do país. 'Imagine um oficial que queira usar uma camisa rosa', afirmou.
 
Os policiais venezuelanos têm o direito de ser homossexuais, mas apenas se esconderem sua orientação sexual, declarou na quarta-feira o comissário para a Reforma Policial, Freddy Bernal, entrevistado pela rede de televisão privada Globovisión.

"Um homossexual pode ser funcionário policial, desde que não manifeste publicamente sua orientação sexual, porque imagine um oficial da polícia que queira usar uma camisa rosa, ou pintar os lábios", disse Bernal entrevistado pelo jornalista Vladimir Villegas.

O comissário, encarregado da modernização policial no país que tem a segunda maior taxa de homicídios do mundo, também falou sobre os aspirantes à polícia que tenham tatuagens, utilizem brincos e piercings ou se considerem hippies.

"Os que vão entrar nos corpos da polícia têm que ser jovens com idoneidade, com ética, com desprendimento, têm que ser garotos saudáveis (...) Um garoto com uma tatuagem não pode entrar na Polícia Nacional Bolivariana; um garoto com um brinco não pode entrar na PNB. Eu já disse isso. Podemos mandá-lo ao ministério da Cultura", disse Bernal.

"Como nós vamos formar oficiais de polícia com um brinco? E não tenho nada contra os que usam brincos! Ou como vamos formar oficiais da polícia... um hippie?", acrescentou o comissário.

Na polícia da Venezuela "pode haver alguma pessoa que seja gay e é direito de cada um sê-lo. Mas não pode manifestar isso publicamente porque vai contra a estrutura da formação do que deve ser um oficial de polícia", disse Bernal.

A Constituição venezuelana proíbe a discriminação de qualquer tipo, incluindo por orientação sexual, mas na vida cotidiana a sociedade mantém múltiplos tabus sobre a homossexualidade.

Na Venezuela, cujo governo se define como socialista, não há nenhum projeto legislativo em estado avançado de discussão sobre o casamento ou uniões civis entre homossexuais - como ocorre em outros países da América Latina - e ainda menos de adoção por parte de casais do mesmo sexo

Nenhum comentário:

Marcador Em Destaques