23/06/2015

Uma igreja que acolhe os homoafetivos no Centro de Brasília


Visto no Jornal Esquina

O Conic - um centro de comercio e entretenimento localizado ao lado da Rodoviária de Brasília -  possui cenários inimagináveis. Conhecido por sua diversidade cultural, o espaço criado há mais de 47 anos abriga bares, sindicatos, boates, livrarias, restaurantes, lojas de artigos de umbanda e templos religiosos dos mais diversos tipos. Esse cenário compõe o espaço que fica no Setor de Diversões Sul.
Comunidade Athos é uma igreja recente, com visão inovadora no País, onde atribui ao homem o direito de sua orientação sexual sem discriminação por parte dos membros da igreja ou da Bíblia sagrada. Dar-se o nome de Teologia inclusiva. Esta comunidade será tida como “filha” da Acalanto , fundada pelo pastor Victor Orellana, e funciona há 9 anos, tendo o início de suas atividades em Dezembro de 2005.

Os congregados se baseiam em uma passagem bíblica no livro de Atos capitulo 10 versículo 34 que diz: “E, abrindo Pedro a boca, disse: Reconheço por verdade que Deus não faz acepção de pessoas”.É com base nesse pensamento que a igreja foi fundada, ganhando visibilidade e respeito por diversas pessoas. Casais homossexuais foram membros de outros ministérios, mas, insatisfeitos com a rejeição de suas orientações sexuais, optaram por seguir a doutrina dessa comunidade.

Hudson Oliveira, membro atuante da igreja, ouviu falar da Comunidade Athos em 2011 através de um colega de faculdade, que hoje lidera outra igreja inclusiva de Brasília.  Como sua antiga comunidade religiosa não aceitava participantes homoafetivos, Hudson decidiu desde 2012 congregar na Athos. Em 2013 foi separado cooperador e também atua como ministro de louvor. “Sei que Deus me ama como sou, isso me deixa à vontade para realizar o que creio ser a vontade de Deus através de mim” comenta.

Antes, Hudson passou por três igrejas diferentes e, segundo ele, nessas denominações a homoafetividade era demonizada.  Por esse motivo ele não comentou com nenhum “irmão” sobre ser homossexual. “Enquanto frequentei as igrejas tradicionais, exerci meu ministério e fui reconhecido por isso. Mas isso só aconteceu porque eu não me assumira homossexual”, desabafa.

A Comunidade Athos não apenas aceita, mas, realiza casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Assim como também realiza o batismo nas águas e acreditam na manifestação de dons espirituais. Uma igreja denominada pentecostal, cheia do chamado “avivamento”.

Léo Capellatto, 24 anos, Chegou em Brasília há poucos meses e, na busca de uma nova congregação, conheceu a Comunidade Athos através das redes sociais. Ele confessa ter tido certa resistência no inicio por ter frequentado igrejas tradicionais por muitos anos. Mas, com tempo, sentiu que poderia servir a Deus sendo quem realmente era. “Deus falou comigo e me mostrou o quanto é bom e perfeito estar na Sua presença sendo realmente quem sou. A diferença é que foi me dado à oportunidade através da Comunidade Athos de servi-lo em verdade, sem ter que me passar por outra pessoa, sem medo da indiferença”. Hoje, com seis meses de participação na Igreja, Léo tem pretensões como membro da comunidade de se dedicar à equipe de louvor e teatro, com a convicção de que é aceito por Deus e que pode ter uma vida plena. “Agora é diferente, sei que através de estudos bíblicos, inclusive por um de nossos pastores que estudou mais de 6 anos, que Deus me ama, sendo quem sou. Hoje sou mais feliz, sou o que deveria ser sempre, pois Jesus morreu para que eu tivesse vida com abundância”. Explica

Recepção calorosa

“Uma igreja que acolhe os homoafetivos que desejam a presença de Deus em suas vidas. Deus ama a todos!”. Essa é a frase do banner que fica no altar da igreja; logo ao lado a referencia bíblica de 1 coríntios 13 “ ... O amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta...” . A recepção calorosa faz jus às palavras de conforto e aceitação que compõe o ambiente de adoração.
Às segundas-feiras a igreja realiza as reuniões de oração. Os cultos das Quartas e domingos apresentam um número expressivo de fiéis lotando todas as cadeiras do ambiente. Casais, em sua maioria gays, participam juntos do Louvor e adoração à Deus, alem de retiros espirituais durante o ano. A igreja tem planos de acrescentar em sua programação, a partir de janeiro de 2015, as chamadas "células", que são reuniões realizadas nas casas dos fieis. A intenção é começar no Gama, Santa Maria, Samambaia e Taguatinga. A participação dos membros da comunidade ganha a cada dia maior visibilidade. Em setembro deste ano foi realizado, na parada gay de Brasília, um culto evangélico organizado pela comunidade Athos .

Pastora, Márcia Dias, mãe de três filhos, hoje casada com uma mulher,  considera-se realizada e compreendida por  Deus  “ Ele me deu a consciência que nunca fui uma surpresa para ele e que se ele quisesse já teria me mudado. Sou feliz pelos filhos que tenho e por ser quem sou.” afirma
E com esse espírito de aceitação e entendimento que a pastora fundou a Comunidade Athos e busca superar todos os obstáculos que venham tentar diminuir o trabalho da igreja. “Como ser humanos temos que lidar com os receios que podem surgir, mas uma coisa é fato: se cremos em Deus, temos que lançar fora todo medo; é assim que lido com as situações adversas”. Diz.  
Pastora Márcia Dias e sua companheira Marta / Foto: Lucas Veloso
                  
       
“O evangelho de Cristo é naturalmente inclusivo, vários são os relatos em que Cristo inclui as mulheres, os estrangeiros, os pobres, as crianças. A fé inclusiva está baseada na análise dos textos bíblicos sobre a ótica contextualizada da Bíblia; empregando os métodos críticos teológicos em que rejeitamos a pregação onde afirma que os homoafetivos são rejeitados por Deus por ser quem são. Não é quem somos que Deus julga, mas como vivemos e isso independentemente de ser hetero ou homossexual”. (Pastora Márcia)


Por Sheylla Martins - Esquina Online

Nenhum comentário:

Marcador Em Destaques