Rio de Janeiro inaugura primeira Catedral Cristã do país voltada para o público LGBT


Na noite de segunda-feira (07), um culto comemorativo marcou a inauguração da Catedral da Igreja Cristã Contemporânea, primeira do país destinada ao público gay e que já possui nove anos de existência. Localizada no bairro de Madureira, subúrbio do Rio, a construção tem capacidade para mil pessoas. 

Segundo o pastor responsável, Fábio Inácio, de 35 anos, o local foi escolhido propositalmente, pois existem também em Madureira catedrais das Igrejas Universal, Assembleia de Deus e Vitória em Cristo. Ele define a reunião de seus fieis como “O grito dos excluídos”


Como muitos homossexuais costumam ser reprimidos ou rejeitados por essas Igrejas, a procura por um templo mais inclusivo crescia a cada dia. Assim, o antigo espaço da igreja Cristã Contemporânea, localizado na Rua Carvalho de Souza, com capacidade para 200 pessoas, já não era suficiente.

Durante a inauguração, centenas de fiéis lotaram o novo templo. Grupos vieram de Minas Gerais e São Paulo. Hoje, a Igreja Cristã Contemporânea tem três mil membros.


“Tenho certeza de que, se Jesus estivesse aqui, estaria do nosso lado”, disse o pastor Inácio durante a inauguração. Ele lidera a igreja junto a seu companheiro, o também pastor Marcos Gladstone.


Atualmente, a Igreja Cristã Contemporânea tem nove templos espalhados pelo Brasil. A ideia do pastor Fábio é abrir mais três esse ano. Somente no Rio, existem seis igrejas, incluindo a nova catedral. As demais ficam em São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.


O casal de pastores já adotou duas crianças e traz uma história de passagens por muitas igrejas evangélicas, quase sempre aliadas a decepção de um discurso homofóbico. Eles contam que a própria igreja que criaram sofre constantemente com pichações agressivas nos muros ou agressões verbais durante os próprios cultos. 

“Ainda existe resistência. Mas acredito que, com o tempo, caminhando a passos lentos, as coisas vão ficando mais claras”, conclui.


Com informações de: Band e O Globo

Comentários