São Paulo recebe primeira Parada Assexual do Brasil


Visto no O Globo
Por Luiza Souto

Entre namorar ou comprar uma bicicleta, a estudante de Artes Júlia Luchiari Fioretti, de 21 anos, prefere ficar com a segunda opção. Ou devorar um bom bolo de chocolate. Qualquer coisa, menos sexo. Ela diz que não sente prazeres sexuais, mas garante estar muito bem resolvida assim. Para mostrar que está bem, obrigada, Júlia comanda nesta sexta-feira em São Paulo a primeira Parada Assexual do país. A ideia é trocar abraços, sem necessariamente acabar entre quatro paredes. Até esta quinta, 148 pessoas haviam confirmado presença no evento marcado para 18h em frente ao Masp, na Avenida Paulista.

- Estamos na semana da visibilidade assexual, e como nossa comunidade não é vista, queremos sair do armário e compartilhar nossas experiências. Não somos nenhum bicho do mato, e queremos mostrar que a gente pode ser tão carinhoso quanto os ditos sexuais. E que existimos - diz Julia.

Em alguns relacionamentos que manteve, Julia relembra problemas dolorosos. Nem sempre conseguia manter uma intimidade maior. O beijo, entrega, lhe causa náusea em muitos momentos. Mas afirma que se apaixonou uma única vez, e com esse sentimento descobriu outras formas de prazer.

- Já perguntaram se sofri algum tipo de violência, se é trauma. Fico chateada com isso. Quando estou chata, por exemplo, falam que preciso transar mais. Para a gente, o sexo estressa. Podemos nos apaixonar perfeitamente, mas a gente não tem necessariamente a atração sexual. Não é um desejo do orgasmo, mas de estar com aquela pessoa. Não sou infeliz porque não gosto de sexo ou porque não me sinto atraída por ninguém - desabafa.

Há seis anos, o tema despertou interesse na pesquisadora Elisabete Regina Baptista de Oliveira, de 52 anos. Ela buscava um assunto que contemplasse a diversidade sexual no âmbito da educação, para sua tese de doutorado na faculdade de Educação da USP. Chegou então a 40 pessoas autoidentificadas como assexuais, com idade entre 15 e 59 anos, espalhadas pelo país. Durante as entrevistas, conta que aprendeu a melhor definição para um relacionamento entre esse grupo.

- Um dos meus entrevistados comparou o amor assexual com aquele que descobrimos na terceira série da escola. As expectativas de um relacionamento são as mesmas, você anda de mãos dadas, deseja estar com a pessoa, mas não há o desejo carnal - disserta ela, que faz questão de dizer que não é assexual.

Grupo de assexuais se reúne na USP: da esquerda para a direita: Elisabete 
Regina Baptista de Oliveira, Júlia Luchiari Fioretti, Marcos Vinicios Lourenço 
Moreira e Alex Lima - Fernando Donasci / Agência O Globo

E é esse tipo de enlace que a assistente social Jaqueline (nome fictício) procura. Aos 34 anos, ela relata que se percebeu assexual desde jovem. Consultou especialistas acreditando estar doente e insistiu em mudar, por medo da solidão. Teve sua única filha, hoje com 16 anos, e depois casou com outra pessoa, mas a união durou apenas nove meses.

- O sexo não é uma prioridade para mim. Quero passear com um companheiro, como qualquer outro casal, fazer planos juntos, jogar videogame. Quero tudo que um casal comum faz, menos o sexo - descreve ela, que prefere não entregar o nome verdadeiro por segurança: - Alguns homens acham que somos assim porque não experimentamos direito, e se aproximam para "aplicar um corretivo".

Aos 24 anos e dono de um grupo de assexuais numa rede social, com mais de 1.400 membros, o auxiliar administrativo Jhonathan diz que encontrou seu atual parceiro na internet, e mostra que é possível manter um relacionamento descrito pela assistente social.

- Nos damos muito bem e nos compreendemos. Mas realmente não é fácil encontrar um parceiro assexual. Namoramos à distância, nos encontramos uma vez por mês. Não tomo sexo como prioridade na relação. Sair com os amigos, ficar deitado com meu amor conversando, comendo chocolate, assistindo a filmes abraçados é o que me dá prazer. Deixamos o sexo meio que de escanteio.

Aos que têm vontade de manter um relacionamento sexual em situações específicas - quando há um grau maior de intimidade entre os dois - , o grupo se autodenomina demissexuais.

Esta e outras denominações foram criadas pela Aven, sigla inglesa de Rede para a Educação e a Visibilidade da Assexualidade. Para cada denominação foi escolhida uma cor, e da sua união surgiu a bandeira dos assexuais. Os tons são o preto (quando não há nenhum interesse afetivo ou romântico), cinza (que representa as pessoas que podem ou não sentir atração ou desejo sexual, dependendo de circunstâncias pessoais), branco (que são os simpatizantes ou apoiadores da questão assexual) e roxo, que representa o padrão visual dos assexuais. A comunidade foi criada há 14 anos para discutir o tema e hoje é referência no assunto.

- O rótulo é importante para unir o grupo, para todos se conhecerem melhor, mas sabemos que isso pode provocar preconceito até entre nós, como acontece com grupos LGBT - entrega o estudante de História Marcos Vinicios Lourenço Moreira, de 26 anos.

Marcos hoje ri ao lembrar do primeiro beijo numa namoradinha, aos 13 anos, mas afirma que na hora não achou graça, já que nada sentiu. Ficou sem se relacionar até os 18 anos, quando teve uma atração por uma pessoa de mesmo sexo. Quatro relacionamentos depois, hoje diz ser um assexual homorromântico, "ou heteroplatônico, já que às vezes tenho paixão platônica por meninas".

- Se é normal fazer sexo sem amor, por que não podemos amar sem sexo? - questiona ele, que lida muito bem com sua orientação.

Mais destacado do grupo, o gestor logístico Alex Lima, de 28 anos, se considera um "quase arromântico". Diz que tem afinidade como os outros, que gosta de criar amizades, mas encontra dificuldade em sentir-se atraído romanticamente. Chegou a frequentar especialistas, mas foi na internet onde encontrou respostas para seus questionamentos.

- É muito raro gostar de alguém. Aconteceu apenas com uma menina, mas nem cheguei a ficar com ela - explica o fã do cantor Morrissey. O ex-líder do The Smiths seria assexual: - Quando ouvi essa história, há três anos, comecei a pesquisar e me deparei com esse termo. Hoje vivo a melhor fase da minha vida, porque tem muita gente como eu e vejo que sou normal.

De acordo com o médico ginecologista e obstetra Marcos Arcader, do hospital Silvestre, zona sul do Rio de Janeiro, a parte sexual do ser humano está atrelada aos hormônios que se formam ainda no ventre materno e acredita que a decisão do grupo possa estar ligada à parte psicológica.

- Nascemos e crescemos com hormônios. É normal, por exemplo, a mulher sentir mais desejo no período menstrual, e o homem ter uma ereção matinal, mas claro que a parte psicólogica se sobrepõe a qualquer coisa. A cabeça manda. Eles não são castrados, mas se castraram mentalmente por algum motivo.

O psiquiatra Sander Fridman, também do hospital Silvestre, explica que a falta de interesse no sexo pode decorrer, além de reduções de níveis hormonais, a frustrações tanto sexuais como amorosas ou depressão, mas pondera: não há fato que indique anormalidade no tema.

- Há uma voz corrente que considera “anormal” a falta de desejo ou de vivência sexual, ou pelo menos da falta de inconformidade por não ter sexo. Isso é um absurdo! Não existe lei que obrigue os “anormais” a se tratarem! Nem mesmo fato que indique que eles sejam sempre perigosos, infelizes, ou doentes. Agora, uma vida sem desejos e sem pressões, sem expectativas ou frustrações, sem decepções ou orgulho, este é para muitas filosofias milenares orientais o segredo da felicidade!

Comentários