06/10/2017

"Você acredita em reversão sexual? Há tratamento para hétero virar gay?" Por ÍTALO DAMASCENO

Por ÍTALO DAMASCENO (Vozes LGBT)

istock

O menino fala para o médico em tom decidido: doutor, quero amputar a minha perna direita. O especialista repara que o membro não tem problema nenhum. Ele tenta demover a ideia da cabeça do garoto, mas o jovem continua afirmando um direito sobre o próprio corpo.

O médico explica que, eticamente, é proibido fazer tal procedimento, mas vai indicar um tratamento psicológico. Afinal, a perna não apresenta nenhum defeito. Se você fica chocado com alguém que deseja extrair um membro saudável, por que apoia a “reversão sexual”?

Orientação sexual diferente da heterossexual não é doença e nem alterável se a pessoa quiser. Quando a OMS e os órgãos de psicologia tiraram a homossexualidade da lista de doenças tratáveis, elas estavam dizendo que ser LGBT é tão natural quanto ser hétero e cisgênero.
A decisão do tal magistrado não me chocou, afinal, como a gente aprende na faculdade de Direito, “cabeça de juiz é igual à caixa de chocolate do Forrest Gump, você nunca sabe o que vai sair de lá de dentro”. E a estupidez humana é uma força da natureza, infelizmente, perene. O que me fez contorcer na cadeira foi, na realidade, a quantidade de pessoas que apoiaram a decisão e as outras que levantaram um enorme “veja bem” diante da questão.

Geralmente, os “veja bem” viram que aquele conteúdo absurdo teria qualquer coisa de sentido, acusando quem retrucava o assunto, chamando-o pelo nome que ele tem – cura gay –, de analfabetos sem interpretação de texto.

Para os “Becharas de rede social”, informo que se há qualquer erro na leitura da decisão, a OAB é tão mal leitora quanto nós, pois ela ingressou na ação do Conselho de Psicologia, como amigo da corte, pedindo que fosse derrubada a decisão. É aquela história, “falta amor, mas também falta interpretação de texto”.

Orientação sexual é tão componente do indivíduo quanto um membro ou um órgão. A evolução nos fez animais dotados de mais do que as necessidades biológicas, como comer, dormir e reproduzir. Temos um perfil psicológico, angústias, sonhos e reflexões e o fato de sermos conscientes de algo não significa que nos seja permitido mudar. Sem contar que, se for admitido que é possível realizar com sucesso a “reversão sexual”, também está se admitindo que o caminho inverso é possível. Então, senhor juiz, você está falando que dá para transformar héteros em gays?!

“A ocasião faz o ladrão”, escreveu Machado de Assis na expressão exata do pensamento de quem acha possível a impossível reversão, substituindo o ladrão por homo/bissexual. Mas se fosse vivo hoje em dia, Machado veria que não é assim que a banda toca. “A ocasião não faz o LGBT. Revela”.

Sem contar que esta decisão é o primeiro passo para tratamentos torturantes e personalidades oprimidas até a completa sensação de inadequação social, levando à conclusão de que seria melhor para ele não existir do que conviver com algo que não faria feliz os seus pares.

Este não é um fato isolado. Faça as contas: Queermuseu > Criança Viada excluída do tumblr > peça de transgênero proibida > decisão judicial aprovando a “reversão sexual”. Coloque dentro de cada > os homossexuais, travestis e transgênero que sofrem violência e são mortos todos os dias entre um fato e outro. Aí não parece mais tão surpreendente a tal decisão, não é mesmo?

E se você, LGBT, ainda não viu que esta é a hora de fazer algo a respeito, quando a grande ficha cair, pode já ser tarde demais.

Nenhum comentário:

Marcador Em Destaques