"Autoconhecimento" por André Kummer

The Bird of Self-Knowledge, Tyrolean Folk Art
A gente passa uma vida esperando estar pronto. É um treinamento mental que começa cedo. A gente cresce ouvindo que tem que se aprontar, no bom sentido. Já aprontou o tema de casa? Vá se aprontar pra missa!

Depois a gente entra no automático e começa a pensar, sozinho, que vai ficar pronto, ou aprontado, em algum momento da vida.

Vai ficar pronto quando se formar no segundo grau (hoje ensino médio). Vai ficar pronto quando passar no vestibular (Enem?). Vai ficar pronto quando começar a trabalhar e ganhar dinheiro. Vai ficar pronto quando casar. Vai ficar pronto quando tiver um filho. Vai ficar pronto quando os filhos estiverem encaminhados. Vai ficar pronto quando se aposentar.

Eu acredito que só estamos prontos quando morremos. Para mim uma morte digna seria aquela onde pudéssemos exclamar antes do último suspiro: “Gente! Aprontei! Fui!!” seguida por uma discreta transformação em purpurina.

Também acredito que, dado a impossibilidade de virarmos purpurina, podemos, todavia, tomar doses diária de autoconhecimento.

Autoconhecimento é purpurina para o cérebro... Já explico!!

O autoconhecimento nos permite sair da dimensão trágica da vida. Uma pessoa que conhece, ao menos o mínimo sobre si, digo o mínimo porque se conhece tudo é certo que já foi pro outro lado, é muito mais feliz.

Não uma felicidade idiota, como a ditadura da felicidade atual, cheia de selfies estranhas… Mas uma felicidade tranquila de quem vê a vida, seja ela como for, como um incrível passeio para o país das maravilhas.

Acredite, a vida é cheia de maravilhas para se descobrir antes de estar pronto. Basta querer entrar na toca do coelho.

Dia desses um cliente, maravilhado pelos avanços pessoais proporcionado pela terapia, confessou que antes achava que terapia era para loucos.

Eu respondi: Também! Mas que há muitas definições para loucos.

Uma das maiores loucuras é quem se acha pronto em vida. Aqueles que se julgam donos da razão e da verdade e vêem os outros como loucos porque não admitem lógica diferente das suas. São aqueles que dizemos que “se acham”.

Na verdade essas pessoas já estão mortas. Continuam andando em corpos onde o sangue circula bravamente bombeado por um coração endurecido, mas estão mortas…

Claro que elas ainda têm a toca do coelho dentro delas, mas a mantém bem escondida de todos, e pelo fato de estar tão escondida termina entupida e cheia de sujeiras. Tocas de coelho entupidas geram loucuras de um tipo específico: as violentas.

Terapeutas são especialistas em desentupir tocas de coelhos. Como existem diferentes tipos de tocas, existem diferentes tipos de terapeutas e terapias, mas você reconhece os bons profissionais em desentupimento por uma característica peculiar: eles liberam a loucura boa.

A loucura boa é ver purpurina nas coisas… No sol que nasce, no mar que bate, nos pássaros que cantam dentro de você.

Bons terapeutas fazem você entender que autoconhecimento é a única forma de ser feliz porque há uma infinidade de coisas a se descobrir dentro da sua toca do coelho antes que você esteja pronto.

Procure o seu terapeuta.

        

Comentários